Historic Rallye - The most essential item of equipment is a sense of humour!

5.4.12

BMW 328


Falem, falem e falem, but... o espírito da BMW 328 foi inspirada nos carros ingleses da época. Tal carro esportivo era trabalhado sobre uma estrutura tubular (do frame da 319/1), com um motor de 2 litros (mais exatamente com 1.971cc). Logo de cara (1938), fez sucesso nas corridas de carros de 2 litros (bom, pelo menos na Alemanha). Eu falo isso, porque, dizem que o XK 120 foi baseado nesse nanico alemão. Mas vocês sabem como é a publicidade... tanto é que a propaganda da época dizia "todos os dias, modernos automóveis esportivos devem muito à BMW 328" (tradução livre da propaganda abaixo)!!!

De fábrica tinha 80bhp atingindo 95mph ou uns 153kph (standard form) - somente com o aero-screen ultrapassava-se a marca das 100mph (161kph) - o Sammy Davis chegou a 102.23mph (164.49kph) em Brooklands - os modelos preparados por times privados chegavam a bater nas 120mph (193kph)! Na verdade a 326 já tinha feito um pequeno sucesso no seu lançamento, principalmente nas corridas em Nurburgring (o modelo que sucedeu o 303, foi o 315 que era melhor que a Mercedes, em Nurburgring e nos rallyes alpinos). São carros parecidos, mas a performance da 328 é muito maior - mesmo para um carro leve (830kgs).

Entre abril de 1936 a setembro de 1939, 464 unidades da BMW 328 foram montadas e vendidas - mais especificamente: 1936 (3 unidades), 1937 (171 unidades), 1938 (164 unidades) e 1939 (126 unidades). Não se sabe hoje em dia quantos destes carros ainda sobreviveram (sabe-se que 80% estão restaurados e bem guardados), mas têm-se certeza que são muito raros e, extremamente valiosos - o preço varia dependendo se há histórico de corridas - nesse caso fica na casa do 1 milhão de euros. Além do mais, tem os mais valiosos - que estão em coleções particulares - que correram em pista ou em rallye, que eram de uso privativo de oficiais da SS, do governo Nazi.

Existiram outras carrocerias especiais, feitas por exemplo, para Le Mans e para a Mille Miglia. Isso porque, a BMW começou em 1928 a produzir carros sob licença da Austin Sevem (isso foi até 1932 - depois disso veio o Tipo 303, com 1.173cc) - os amantes da marca alemã, odeiam quando citamos a origem sob e sobre carros ingleses. Nenhuma outra montadora alemã de carros esporte (nos anos 30), conseguiu superar a 328 (Adler, Stoewer e Wanderer bem que tentaram, com seus roadsters - merece atenção o time Adler Trumpfs, que tive um sucesso em Spa e Le Mans, entre 36 e 38, mas não tinha um apelo expressivo, como teve a BMW 328 - Stirling Moss pilotou um 328 na sua primeira corrida de Trial!!! E o motor da 328 era utilizado em carros ingleses, como o British Bristol e o Frazer-Nash, além do carro alemão Veritas).
O desenho do 328 lembra muito as curvas Art Deco. Os desenhistas eram Alfred Böning e Fritz Fiedler, assistidos por Alex von Flakenhausen e Ernst Loof - essa turma preparou o primeiro protótipo em 1936. A primeira aparição pública foi na corrida de Eifelrennen, em 14 de junho de 1936, ganhando na classe, com uma média de velocidade de 101kph e acima de 113kph na reta - esse carro foi pilotado pelo Ernst Henne. Os primeiros exemplares vendidos foi a partir de fevereiro de 1937. Em 1940 uma 328 tunada para works team, pulava dos 120bhp para 136bhp a 6.000rpm. O segredo estava no comando de válvulas e nos 3 carburadores. Estes carros, tinham uma competência de nascença para as provas de endurance, como a Mille Miglia, 24 horas de Nürburgring e Le Mans, 12 horas de Brooklands - veja-se as performances de Petre Cristea. Um time de 3 BMWs experimentais, fizeram sucesso em 1936 no Tourist Trophy (TT) em Ulster - A.F.P. Fane terminou em terceiro, o Príncipe Bira do Sião, ficou em sétimo e em nono ficou J.H. Aldington - com isso e no todo eles conseguiram o Team Prize. Em 1937 uma 328 ganha o Grand Prix de Grontieres em Chinay, Bélgica; além do Grand Prix da Finlândia e o ADAC Eifelrennen.

Grid de 328 durante o Grand Prix de Nürburgring em 1938. A BMW preta #10, tendo como piloto o Paul Greifzu (ele ganha a prova).
Uma curiosidade - era o carro escolhido pelo Partido Nazi, para as competições - um privilégio dos pilotos sob o comando da SS - alguns dizem que o SS era super sport, mas notem na licença e na lateral de uma das 328 abaixo, onde o SS aparece (não só no uniforme):
Até 1940 - portanto no ínício da II Grande Guerra, esse modelo havia participado de 172 corridas nacionais/alemãs e internacionais - arrebatou 141 vitórias. No limite entre paz e guerra, obteve uma vitória expressiva na Mille Miglia de 1940 - com um modelo feito pela Carrozzeria Touring de Milano - com média horária de 166.7kph - a carroceria de alumínio lhe dava a condição de ser chamada de Superleggera - 780kgs com uma velocidade máxima de 220kph. A Mille Miglia de 1940 foi interessante: o domínio esmagador até então era de carros italianos, com alguns carros franceses até 1938 - nesse ano surgiu em nono lugar na classificação geral, o Lurani/Schaumburg-Lippe com uma BMW 328; na categoria International Sports Fane/James ganham na classe 2 litros (sem supercharged), com média de 119.16kph (o superchargerd da Alfa-Romeo ganhou na classe, mas fez 108.36kph).
Essa 328 coupe #70, da Mille Miglia de 40, nas mãos de Hermann Lang ganha em 1946 a Ruhestein Hillclimb e depois é vendida paa os EUA. Em 2002 volta ao Museu da BMW (Mobile Tradition) e em 2006 participa da Mille Miglia Storica.

A Mille Miglia de 38 tinha algumas BMWs 328 - Fane/James, Lurani/Schaumburg-Lippe e Richte/Weernick, eram bancados pela fábrica, já von der Mühle/Holtzschuh era um time privado. Em tempo: Alfred F.P. Fane era britânico e era uma das promessas da época, mas morreu quando o Lancaster-Bomb em que estava, foi abatido em julho de 1942 durante a Segunda Guerra (ele era da RAF Photo Reconaissance Unit). O time da BMW era comandado pelo Ernst Loof (responsável depois da guerra por equipe de motocicleta e foi o mentor da Veritas). Ganhou a Mille Miglia de 1938 na classe e na categoria principal em 1940. Ganha o RAC Rally de 1939 e chega em quinto no geral (primeiro na classe) em 1939, na prova das 24 Horas de Le Mans.
A Mille Miglia de 38 foi especial, pois, surgiu nesse ano a nova categoria - onde a BMW ganhou na classe de 2 litros, chamada de National Sports/Racing Cars. Apesar do tempo estar excelente em 1938, essa foi a prova onde morreram vários espectadores: Uma Lancia Aprilia de Bruzo-Mignanego perdeu o controle em Bologna, e matou 10 espectadores, incluindo 7 crianças - com isso o governo facista imediatamente baniu a Mille Miglia de correr em estradas públicas italianas. Com isso em 1939 não teve a Mille Miglia na Itália (fizeram uma corrida não oficial chamada de Mille Miglia Africana, com 1.500kms na chamada Via Balbia, entre Tobruk e Tripoli - 3 BMWs works participaram com o modelo 328).
Em 1940 o secretário da Mille Miglia - Giovanni Comini - fez uma tremenda força para voltar a corrida para a Itália e convencer Mussolini de que era uma prova importante. O DUX reconsiderou a decisão e em 1940 acontece a última prova pré-guerra (ou já com guerra declarada) - Mesmo sob ataque da Alemanha (havia 7 meses - 3/set/39 - até 10 de junho de 40 a Itália não havia declarado guerra contra ninguém), a França manda 2 works Delage com times formados por Taruffi/Chinetti e Comotti/Rosa (esse time foi desclassificado por um recurso da BMW contra a Delage); Enzo Ferrari coloca na prova dois Auto Avio Construzioni 815 (carro protótipo que o Enzo prometeu ser de série - mentira), tendo como piloto Lotario Rangoni e Alberto Ascari; já a BMW manda seu esquadrão de 328 e um carro feito especialmente para o evento - o famoso 328 streamlined Coupe, ultra-light BMW Touring (Milano), que chegou em primeiro lugar na categoria geral (com von Hanstein e Baümer - média de 166,72kph), 16.2 minutos na frente da Alfa de Farina e Mambelli, que foram seguidos em segundo pela BMW 328 de Adolf Brudes e Ralph Röse, que receberam ordens dos alemães (SS), para chegar atrás do carro italiano para não humilhar um aliado (em quinto e sexto ficaram outras duas BMW 328 - que receberam a mesma ordem, deixando o Biondetti e Stefani da Alfa chegar em quarto lugar). a 328 que ficou em sexto lugar era roadster e levava o número 71, já a BMW do Barão Huschke von Hanstein e Baümer, levavam o número 70 e que ganharam, também, na Classe de 2.000cc.


A de #72, pilotada em 40 por Brien e Richter - sumiu na guerra e está com H.J. Aldington, na Inglaterra, mas a BMW não reconhece esse carro como o histórico da Mille Miglia. A de #73, era um Sallon redesenhado pelo Professor Wunibald Kamm, diretor do Instituto de Engenharia para Carros da Universidade Técnica de Stuttgart, pioneira em túneis de vento. Na prova de 40 foi pilotada por Johnny Lurani e Franco Cortese - em 47 Karl Kling pilotou esse carro e ganhou a corrida em Hockenheim - foi usado pelo Loof até um acidente no início dos anos 50 (não existe mais).

A última 328 deste time fantástico da Mille Miglia de 40, era a de #74 - um roadster aberto, que ficou em terceiro lugar com Brudes e Röse - está atualmente numa coleção particular em Munique.

Karl Kling na BMW 328 (Mille Miglia Limousine) de Ernst Loof, em Hockenheim (1947), ganhador da categoria de 2 litros (sports car class).
Logo depois da Segunda Grande Guerra, Loof recupera a 328 da Mille Miglia (BMW Streamliner) e a prepara para competições. Neste carro que Hermann Lang ganha a primeira corrida post-war na Alamanha em Ruhestein Hillclimb de 1946 (aliás é o primeiro carro a ganhar corridas após guerra). O carro na foto acima em 1947 era o mesmo da Hillclimb de 46 - nesta épcoa o Karl Kling coletava pela Alemanha o que tinha de 328 e as reformava - na verdade fazia outros carros de corrida com elas (ele fez um carro muito legal, similar a Mille Miglia Roadster - que serviu de protótipo da Veritas RS Serie - esse foi o modelo idealizado por Loof, para carros em série (ele tinha como sócios o Lorenz Dietrich ex-BMW e Georg "Schorsch" Meier, ex-campeão de motos, mas ganhou algumas corridas com Mercedes-Benz e Auto Union antes da Guerra - mais tarde se uniu a outro piloto de moto Werner Miethe).
A open-roadster de #71 - conhecida como Bügelfalten, pelo seu shape de asa, inspirou a moderna BMW Z4 - foi pilotada em 40 por Hans Wencher e Rudolf Scholz - terminando em sexto - sendo agora de propriedade de um colecionador em Munique.

Depois da Segunda Guerra Mundial, a planta industrial em Eisenach da BMW, onde o 328 tinha sido construído, foi parar na zona de ocupação russa. Um exemplar do 328 Mille Miglia (disfarçado como um Frazer Nash) e os planos técnicos da BMW 328, foram tirados da fábrica bombardeada, por representantes ingleses da Bristol Aeroplane Company e da Frazer Nash (o engenheiro Fiedler também foi persuadido para vir à Inglaterra). Por isso os Bristols são quase iguais à BMW. No final de 1999 o 328 foi indicado para integrar uma lista de 25 carros finalistas, como Car of the Century, por um painel de jornalistas especializados.

Rudi Krause na primeira corrida na antiga Alemanha Oriental (Dessau - 1949)


BMW 328 antes de seguir para a Mille Miglia de 1940


Le Mans

Herrmann Holbein e Rudolf Sauerwein - na primeira corrida pós-guerra no circuito de Karlsruhe - 1947 (a licença da 328 de #26 era de teste drive).

Toni Ulmen e Karl-Heinz Schäufele (3 e 4 lugar em Hockenheim - 1947)

Kling quando ganhou em Munique - 1947

Grid de 1947 em Schotten

Karl-Günther Bechem chega em segundo no Grand Prix de Nürburgring de 1950

Largada de 1952 com Alexander von Falkenhausen na sua velha 328 - Avus


328 ganhadora da Mille Miglia em 1940 - agora na Mille Miglia Storica de 2006

328 Touring Coupe de 1939

BMW 328 Cotura RS (1937)

Bildbeschreibung: BMW 328, Baujahr 1938











BMW 328 Junior em Le Mans Classic













Luis Cezar

Um comentário:

Zé Rodrigo disse...

Fico feliz em ver duas fotos (a primeira, logo de cara, é uma delas) minhas, que fiz do meu modelo da Streamline MM da Autoart - esc. 1/18, neste seu artigo.
Acho este carro uma beleza sem palavras. Sou daqueles que não tem a menor dúvida em afirmar que o Lyons se inspirou claramente no perfil da Streamline alemã para fazer o seu XK 120.