Historic Rallye - The most essential item of equipment is a sense of humour!

16.4.14

Jackie Stewart e a Matra

Artigo interessante posto na Classic & Sports Car. Texto do Mick Walsh e fotos do Tony Baker. Tradução livre feita por mim. O legal é que esse Matra é muito pouco visto atualmente. Enjoy:


Um nostálgico Jackie Stewart conversou com Mick Walsh, e demonstrou toda sua emoção ao pilotar o F1 de sua preferência - o Matra - que ele conquistou seu primeiro Campeonato Mundial de F1 há 40 anos.

Pode haver algumas maneiras mais doces de conquistar o seu primeiro Campeonato do Mundo do que com uma vitória épica. E o Grande Prêmio da Itália, em Monza em 07 setembro de 1969, produziu o mais eletrizante final da história da F1, com menos de meio segundo abrangendo os quatro principais candidatos ao título.

Jackie Stewart pilotou de forma brilhante as 68 voltas na sua Matra MS80, mas na última volta desta luta titânica do escocês, teve a enorme pressão do seu companheiro de equipe da Matra - Jean-Pierre Beltoise, como do Jochen Rindt na Lotus 49 e na M7A com o Bruce McLaren. Estava fácil pilotar assim, com essa turma atras de você?! O gráfico da volta completa era tão complicado como esparguete, que manteve o público apaixonado em completa tensão. Rindt, que havia sido dito que ira poupar o seu carro para um desafio final, fez o seu movimento sobre Stewart na Lesmo - a folha de ouro da equipe Lotus ultrapassou a Matra na freagem, mas Stewart recuperou a liderança na Viallone. Beltoise tentou um manobra demoniaca depois da parabólica freando em cima da curva, cortando a frente de Rindt. Stewart veio com ele quase lado a lado na reta, mas quem recebe a bandeirada final é a Matra pilotada por Stewart, levando-o ao seu primeiro Campeonato Mundial. Foi, também, uma vitória para o time Matra-Ford, depois de uma excelente temporada em que Stewart, em deslumbrante forma, acelerou o MS80 conseguindo os cinco primeiros lugares.
Avançando 40 anos os dois se encontram - chassis 02, na condição de timewarp - aguarda o cavaleiro escocês em uma manhã feliz outono. Stewart já chega vestido em seu macacão de corrida, devidamente ostentando logos da Elf e da Dunlop - duas empresas chave para essa temporada vitoriosa. Stewart examina seu velho MS80 e as memórias daquele dia triunfal em Monza voltam à tona. "Durante os treinos eu tinha discutido com Ken [Tyrrell] a opção de uma engrenagem mais alta para cruzar o traço para a bandeira final", lembra Stewart como se o evento tivesse ocorrido na semana passada. "Passagens ocorridas na caixa de velocidade, não eram tão simples como são hoje e qualquer mudança errada você perde tempo. Então Beltoise me ultrapassou no caminho para a Parabólica, o que não estava programado. Eu me lembro de pensar: 'Aquele idiota', mas ele era francês por isso era de se esperar. Na corrida para a bandeirada final, eu fui capaz de manter a engrenagem, o que só me deu a vantagem para vencer Jochen. Eu sempre gostei de Monza a partir da primeira vez que fui para um campeonato de tiro no parque em 59. Ferrari estava testando e eu fui assistir. Surtees também chegou em sua BMW 507 para testar a sua MV Agusta. Minha primeira corrida em Monza foi no GP de Itália de 1965, onde foi a minha primeira vitória no Campeonato Mundial, e lá resultou em meu primeiro campeonato - é muito especial. "
A alta temporada registrada em Monza nunca mais se repetiu para a Equipe anglo-francesa - a sorte acabou para os últimos três GPs. Com o campeonato no bolso, talvez o incentivo não tivesse sido o bastante, mas foi uma época excelente para a associação improvável entre a gigante francesa aeroespacial de alta tecnologia com os britânicos, operando a partir de um galpão de madeira em um Oakham timberyard.

Foi quando o jornalista Gérard 'Jabby' Crombac apresentou a Tyrrell um executivo francês dinâmico chamado Jean-Luc Lagardère ganhador em 1965 da Fórmula 2 - seria uma aliança vitoriosa entre Matra, Tyrrell, Stewart e Cosworth. Estimulado pelo sucesso do título na F2 com o MS7 em 67, Matra foi receptiva às ambições da F1 de Tyrrell. E, com a promessa de motor DFV e a estrela Stewart disponíveis após ser sondado pela Ferrari, Le Sang Bleu foi marcado para um renascimento muito aguardado.

Após a curta vida do modelo MS9 - efetivamente um projeto MS7 F2 modificado para poder DFV - o homem do chassis da Matra - Bernard Boyer - projetou o MS10 em que Stewart obteve a primeira vitória num GP pela Matra, no circuito de Zandvoort, encharcado pela chuva, em junho de 1968. A temporada parecia amaldiçoada, primeiro pelo pulso ferido de Stewart num acidente de F2 em Jarama e, em seguida, com um problema no sistema de combustível, durante a final do Campeonato no México.
"O MS10 foi um grande carro", diz Stewart. "Sem as condições de chuva, tanto em Zandvoort como em Nürburgring, que colocava menos pressão no meu pulso, poderia ter sido um resultado diferente, mas os Dunlops foram fantásticos na chuva. Ken acreditava firmemente nos testes de pneus. Tivemos uma boa chance de ganhar no México, mas uma das bombas de combustível entupiu e eu estava fora. Jimmy tinha morrido em abril e eu acho que não estava pronto para ser Campeão do Mundo, enquanto Graham era um natural e um grande conversador. Ken sabia que a equipe Matra tinha muita confiança em Jean-Luc. Boyer e seus rapazes estavam todos por um, design state-of-the-art fantasia para coincidir com o carro de Chapman, mas Ken insistiu que tinha que ser resistente e prático. O MS80 foi muito bem construído e chegou a Oakham completo de motor. Boyer se concentrou em manter a carga de combustível em torno de seu centro de gravidade, o que realmente ajudou o manuseio. Outros novos recursos foram: freios inboard / amortecedores traseiros e laterais da frente para manter os freios mais frios. Eu não testei o carro até os treinos para o GP Sul-Africano, mas Ken decidiu que não estava pronto, então eu dirigi o antigo MS10. "
Depois de experiências ruins de Stewart com o lamentável BRM H16, os monopostos franceses eram uma alegria: "Eles eram dinamite para dirigir, especialmente os carros F2. Nós lutamos um pouco no início da temporada de 1969. Na Espanha os Dunlops não eram tão bons quanto os Firestone e Goodyear e tivemos a sorte de ganhar, enquanto em Mônaco tanto Beltoise e eu sofremos com rachaduras." Mas tudo melhorou bem na frente de uma multidão de espectadores francese em Clermont-Ferrand, onde Stewart e o MS80 estavam em forma imperiosa. O escocês nunca foi ameaçado desde a pole e liderou com um Matra 1-2 do companheiro de time Beltoise: "Isso foi uma pista para um piloto de verdade, onde o carro teve de ser conduzido com prudência. A área era vulcânica e se você saiu, você sempre tem um furo." A vitória em casa foi um grande impulso para a Matra e para o patrocinador Elf, mas Stewart teve um grande susto nos treinos para o Grande Prêmio da Inglaterra, duas semanas depois em Silverstone: "Eu estava seguindo Piers [Courage] através da Woodcote, quando bateu no meio-fio. Um pedaço de concreto voou, e bateu no meu pneu traseiro. Woodcote era flat-out naqueles dias - cerca de 150mph - e o piso se desmembrada em alta velocidade. Tiramos três fileiras de catch-fencing antes de bater as travessas. O efeito foi como jogar uma bola de tênis em uma rede, o que foi bom até que o carro virou. Foi um acidente de alta velocidade e, infelizmente, o meu pai estava lá para vê-lo."

Felizmente Stewart saiu ileso e pulou direto para MS80 de Beltoise para deixar um tempo na primeira fila ao lado de Rindt de 49. Os dois amigos lutaram uma batalha épica até a volta 62 da corrida, quando Rindt foi forçado a pit depois da perda de uma parte da asa traseira voar. Stewart liderou o GP da Alemanha no 'Ring a Brabham BT26 de Ickx, equipada com pneus Goodyear G20, tocaram na caixa de câmbio da Matra. Em Monza, um mês depois Stewart garantiu seu primeiro campeonato em grande estilo com a sua sexta vitória e quinto do MS80.
Um teste de back-to-back foi organizado para Stewart para comparar 0 DFV e V12 em Albi, no final da temporada: "O motor Matra era tão suave e parecia fantástico, mas não tem a mordida da Cosworth." Tyrrell teve que rever os planos quando Matra foi forçada a abandonar o poder da Ford, após o seu parceiro Simca ter sido engolido pela Chrysler. "Matra não recuaria em seu novo acordo com a Chrysler", diz Stewart, "então Ken não teve opção a não ser procurar outro lugar para outro chassi. Lotus e Brabham não iriam vender-nos um chassi porque sabiam que o Ken seria muito competitivo, por isso, no final, nós fomos com March e Robin Herd 701. Foi um design robusto e prático que se adequava a filosofia de Ken, mas depois de uma vitória em Espanha, logo decidiu que não havia muito o desenvolvimento na esquerda do chassi. Secretamente Ken teve Derek [Gardner] para projetar um carro novo, mas isso é outra história."

Depois de sua incrível temporada 69, Matra não gostou da temporada seguinte até apresentar seu V12 que equipava a Ligier na sua vitória em 77. Mas em 1971 um outro carro azul foi ditando o ritmo com Tyrrell e Stewart voltando a ser uma força dominante com o 001. O Tyrrell 003 e a Matra permaneceriam como seus favoritos de todos os tempos: "Eu queria comprar o MS80. Eu sabia que Jean-Luc tinha um, então eu perguntei a ele várias vezes, mas ele sempre disse que iria ficar com esse carro na coleção da fábrica." Frustrante. Stewart não ficou sabendo quando a Matra vendeu muitos de seus carros nos anos 90 e a 02 desapareceu numa coleção privada francesa. Esta máquina histórica foi cuidadosamente fettled desde então, mas é, essencialmente, da mesma forma que terminou sua última corrida no México.
Para marcar o 40º aniversário de seu primeiro título de F1, Stewart rastreou 02 e propôs a ideia de fazer demonstrações em Silverstone e Goodwood. O carro raramente tinha sido visto em público, mas o proprietário ficou feliz em cooperar com o Tri-Campeão Mundial. Stewart também queria levá-lo de volta para Monza, mas certas pessoas proeminentes da F1 tornaram isso impossível.

Então, ao invés de usar o circuito italiano super-rápido, que seria aplaudido por milhares de tifosi, montamos uma festa privada na pista de testes Chobham com o proprietário do restaurado Matra, que alegremente rebocou o 02 ao longo da França. Stewart deu magnificas 10 voltas, com o DFV rugindo em todo o circuito como uma maravilha azul, espalhando as folhas caídas. Quando ele saiu do carro, o famoso Scot tinha claramente apreciado possivelmente sua última reunião entre ele e a máquina, antes que o carro voltasse para hibernação.

Então, por que foi tão especial? "Assim como o 003 e 006, não foi difícil de dirigir. Quer se trate de um piloto ou um carro de estrada, você quer um convite não um desafio. O MS80 era tão amigável e você pode executá-lo de forma consistente no limite, sem sentir que estava à beira de um acidente. Se você olhar para as minhas cartas de volta em 69, você vai ver que eu estava correndo regularmente dentro de um décimo de segundo para volta após volta. Sabíamos que o CSI estava exigindo saco-tanques para a próxima temporada, mas Bernard recebeu o sinal verde de Jean-Luc para um sistema de combustível de tanque triplo estrutural. Foi puramente um carro de uma temporada, mas tão bem equilibrado, como resultado do layout. A mudança Hewland, com todas aquelas hastes e acoplamentos, não era preciso e até hoje eu estava tendo dificuldades para encontrar primeiro, mas o resto foi muito perto da perfeição. O aero era bom e sob frenagem era sempre muito estável. Também tivemos o melhor motor de corrida. O 49 foi rápido - especialmente com Jochen na pilotagem - e que a temporada Matra era o único carro capaz de levá-lo para frente. Como seria de esperar de uma empresa de produção de mísseis e satélites, o MS80 também foi muito bem construído. Ao contrário de projetos de Chapman na Lotus, não havia nenhum compromisso sobre a força de leveza. Eu adoraria contar o número de rebites em cada monocoque."
Uma dos mais intrigantes detalhes originais são as notas de fita Dymo em várias línguas preso dentro do cockpit: "Depois de Spa em 66, quando eu fiquei preso por 35 minutos, porque eles não podiam sacar o volante para fora, eu insisti em instruções para os fiscais. Também tivemos uma chave equipado com velcro, em caso de um acidente." Esse foi apenas um detalhe. Mais do que qualquer troféu ou fotografia antiga - sublinha a bravura deste campeão escocês. Não é de admirar que ele tem tanto carinho por esta vitória com a Matra, que ainda tem o monocoque remendado reparado após seu treino em Silverstone.

Este artigo foi originalmente publicado na edição da revista Classic & Sports Car, de Janeiro de 2010, que mantém os direitos autorais de todas as palavras e imagens. O original pode ser visto em:
http://www.classicandsportscar.com/news/csc-features/jackie-stewart-climbs-into-his-formula-1-matra-and-turns-back-the-clock?utm_medium=EMAIL&utm_campaign=ENews%20Bulletins&utm_source=April%2015,%202014&utm_content=latest_feature_top_1

Luis Cezar